quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Vou parar de fumar

Vou parar de fumar é um bom título para (re)abrir o Nicotina Zero em 2013. E dessa vez volto a escrever aqui com algo de bastante concreto para dizer: há três dias não coloco um cigarro na boca.

O último cigarro ficou lá, na manhãzinha do dia 1, e já virou a zero hora do dia 3 de janeiro. Não são 72 horas, mas para quem tá em crise de abstinência, 72 horas = 3 dias = uma eternidade e eis que não fumo desde o começo do ano.

Espero que o desejo não vire fumaça e vou contando por aqui como vai a empreitada: este blog de ex-fumante vai ser um dos meus suportes, válvula de escape emocional: dá para falar do horror da crise de abstinência, contar os dias e até comemorar algumas vitórias. E já aprendi com muitos anos como blogueiro ex-fumante (ou que tenta parar) que receber apoio, ainda que virtual, é bom.

Outro suporte será a corrida. A experiência mostra que escrever e correr ajudam a parar de fumar mesmo: foi o que fiz no ano que fui não-praticante.Tudo no passado e com f.

Parar de fumar é de foder.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Abstinência do cigarro

A abstinência do cigarro é uma das piores partes para quem quer parar de fumar. Além da vontade (quase) incontrolável de fumar, a abstinência de nicotina dá, em muita gente e em graus variáveis, irritação, dor de cabeça, ansiedade, sono ou insônia, abre o apetite e muitas vezes faz engordar.
Não é fácil fazer passar as crises de abstinência de cigarro (nicotina), mas algumas dicas ajudam a enfrentar a abstinência.

Abstinência de cigarro -  a droga da nicotina


  • Apesar de não dar para afirmar quanto tempo dura a abstinência de cigarro, as crises mais agudas duram cerca de 15 minutos na maioria das pessoas. Tente sair para beber água, caminhar ou respirar.
  • Faça um exercício, que ajuda a não engordar e a passar a ansiedade por causa da abstinência da droga nicotina. Se puder, faça matrícula em uma academia de ginástica e siga um programa. Se não for possível encontrar uma academia para fazer exercício, tente, no mínimo, caminhar mais.
  • Tente perceber quais os sintomas da abstinência que te atrapalham e, quando eles ficarem muito fortes ou começar a aparecer, tome um banho de 10 minutos.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Dependência de nicotina

A dependência de nicotina é uma realidade. Cada vez que eu tento parar de fumar, entendo melhor o significado da palavra dependência.

Sem nicotina, fica difícil fazer qualquer coisa. Você depende de um cigarro até para pensar em como parar de fumar!

domingo, 1 de maio de 2011

Propaganda de Cigarro clássica - 1948 - stop motion

Faz tempo que eu não posto uma propaganda de cigarro daquelas bem antigas.

Este vídeo de publicidade do Luck Strike foi feito com stop motion. A proganda de cigarro em animação é antiga: foi feita em 1948.

tá difícil parar...

Mas eu diminui bastante o número de cigarros por dia desde que eu  comecei a usar os adesivos de nicotina: tipo, quando eu fumo três cigarros em um dia, já é muito.

E não tenho tido vontade de fumar ou crise de abstinência. Acho que já escrevi aqui, mas repito: às vezes, acho que mais do que a dependência de nicotina, acabo fumando por falta de vergonha na cara. É um jeito de dar uma voltinha durante o trabalho, desfocar, viajar cinco minutinhos...

Mas espero que em no máximo duas semanas eu possa parar até com esses poucos cigarrinhos no dia.

Ah: um incentivo: estou voltando a sentir cheiro... é muito bom andar na rua de manhã (aroma de padaria), na hora do almoço (cheirinho de comida) e quando começa a escurecer (e desce o véu da dama da noite).

Espero ter mais tempo para escrever aqui --significa que eu não fui relaxar tragando, mas no blog.

domingo, 24 de abril de 2011

Um tempinho

Não está fácil arrumar tempo para escrever aqui. Como não está fácil arrumar tempo para fumar, o que é bom.

Estou acabando o segundo maço de adesivos de nicotina e conseguindo sobreviver com, mais ou menos, o número de cigarros liberados pelo médico --no momento, três por dia. Não comecei a mascar as gomas de nicotina, já que o objetivo é acostumar meu cérebro com menos dorgas.

Para ser sincero, fumo amparado pela falta de vergonha na cara do que pela instigado pela vontade. Daria para passar fácil sem cigarro, mas como meu trabalho anda muuuuito agitado, o cigarro acaba sendo aquele tempinho para dar uma levantada, respirar... bem, respirar não. 

Mas já sinto outro incentivo para parar chegando, junto com as temperaturas mais baixas e o ar seco: minha respiração já começou a virar uma sinfonia de assobios aflitivos. Então tenho essa motivação a mais. O problema é que só lembro dela quando respiro...

quarta-feira, 13 de abril de 2011

comprei os adesivos

Comprei os adesivos de nicotina. A primeira coisa a se notar é  o preço: 50 pilas, sete colantes, para uma semana de tratamento. Um pouco mais de sete reais por adesivo de uso diário. Ou seja: vou gastar mais do que perdia com cigarro. O tratamento com adesivo, diz a bula, dura entre oito e dez semanas --ou quinhentos contos, digo eu. Uma grana de verdade.

A bula também alerta para os efeitos da superdosagem da nicotina: de dor de cabeça a diarreia (espero não estar fazendo uma cagada usando os papeizinhos).

Na caixinha do remédio, também há um guia com instruções para ajudar a parar de fumar, tipo:
1. quando a vontade for grande, beba um copo de água, concentre-se em conversar com alguém, dê uma voltinha; normalmente a fissura passa em alguns minutos.

2. faça um diário sobre sua experiência para parar de fumar.

3. quando caíres em tentação, não desista: anote no diário o motivo que o levou a sucumbir e o evite, pelo menos ao longo do tratamento.

terça-feira, 12 de abril de 2011

Dia 1 - parando de fumar

Ontem fui ao médico e traçamos o plano para parar de fumar. Para os fracotes de plantão, é do tipo "para de fumar fumando".

Uma paulada: vou usar adesivos de nicotina 21 mg (ainda não sei o preço) na primeira semana, mais dois comprimidos de bupropiona (o genérico do zyban, já tomo para ansiedade) e chiclete de nicotina. Posso fumar até seis cigarros por dia. As gominhas devem ser usadas em último caso.

O doctor vai acompanhar de perto: posso ficar agitado por causa da nicotina ou até ter uma overdose da droga do cigarro (não é nada grave): dor de cabeça, tontura etc.

Por outro lado, ele garantiu que os efeitos da abstinência não serão grandes, afinal estarei usando nicotina.

Dependendo de como eu reagir, na segunda semana as doses caem para metade: adesivo de 7 mg, três cigarros.

O objetivo, pelo que eu entendi, é adaptar meu cérebro pra menos nicotina: hoje, ele já foi moldado para uma dose grande, os recepetores de não sei o quê têm que se acostumar com menos, progressivamente.

A empreitada dura dez semanas: é o tempo máximo indicado para usar os adesivos.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

O vício, o vício

Dois comentários recentes no blog surpreenderam: são de duas pessoas que usaram repositores de nicotina (chiclete, adesivo) não por um, dois ou três meses, mas por anos!

Sim, amigos. Anos. Considero que ambas venceram o vício psicológico do cigarro, mas o físico... é foda mesmo. Isso se chama dependência de nicotina!

Eu, que vou ao médico na próxima segunda para começar meu tratamento, fiquei ressabiado. Imagina depender por muito tempo de chiclete ou de adesivo de nicotina? Que merda vai ser.

E não adianta achar que não faz mal: provavelmente, usar nicotina por chiclete ou adesivo é menos prejudicial que por fumacinha, mas ainda assim nicotina é uma droga, chiclete deixa os dentes amarelados, dá ressaca de cigarro etc.

Fora que fica muito fácil cair em tentação né? Você tá lá, numa balada, bebou umas e outras, acabou o chicletinho, um monte de fumantes por perto... e aí? como faz?

As duas vezes que eu parei de fumar com chiclete, usei durante dois, três meses, antes de abandonar de vez. Mas depois de um tempo, voltei a fumar... O negócio é sempre manter uma goma por perto, à mão, meses, anos ou décadas depois. Mas troca, porque envelhece.

quarta-feira, 23 de março de 2011